Gestão a moda do Silvio Santos

Liderar uma empresa familiar não é tarefa fácil

Este é o terceiro de um total de quatro episódios dedicados a Decodificar Silvio Santos. Confira os episódios anteriores clicando aqui.

Não é de hoje que histórias de ascensão e queda — de impérios, políticos, esportistas ou de homens de negócios — fascinam as pessoas. 

O sucesso causa admiração e inveja; o fracasso que se segue após o período no topo, perplexidade.

Alguns anos atrás o país assistiu, pasmo, à repentina queda de um de seus empresários mais célebres, Senor Abravanel, então com 79 anos e amado pela sociedade.

A trajetória de décadas de ascendência e consistência foi interrompida no dia 11 de setembro de 2011, exatos 52 anos após a abertura do Baú. 

Foi quando ele recebeu um ligação, num domingo de manhã, descrevendo a situação em que se encontrava banco PanAmericano, fundado por ele em 1990.

O Banco Central havia descoberto uma fraude bilionária nos balanços do banco. Para evitar a falência, Silvio teve de tomar um empréstimo de 4,3 bilhões de reais e entregar todas – eu disse todas – as suas empresas em garantia.

Até o tropeço do Silvio Santos foi tão surreal como a sua própria história. Mas com alguma justificativa, talvez ele tenha alguma “culpa no cartório” (no sentido figurado da palavra, diga-se).

O modelo de gestão das empresas do Silvio é peculiar e comum a muitas empresas de origem e estrutura familiar. Seria este o problema?

A gente vai entender isso agora. 

Escute agora o terceiro episódio da nova temporada de #BóraVoar, o meu podcast inspiracional.

Aperta o play e, se tiver curiosidade, dê um pulo no site oficial do podcast para ver algumas fotos antigas. Tem cada relíquia…

Aproveite e faça parte do meu grupo vip no Telegram e receba meus conteúdos exclusivos em primeira mão.

#BóraVoar?

Diego Maia é um o palestrante de vendas e motivação mais contratado do Brasil, com expressiva atuação em Portugal.

Conheça a trajetória do palestrante de vendas Diego Maia clicando aqui.